Viver é sonhar, morrer é despertar

domingo, 29 de maio de 2011

Recorte

"Um jovem de boa aparência ajoelhou-se diante dele e disse:
- Senhor, carreguei a minha covardia para que eu seja valente.
E aquele que teme perder seus gozos bate com a cabeça nos muros do sofrimento.
O homem deve colocar seus ideais para além do homem, se quiser ser um valente.
Ide ao fundo de vosso ser, que é um oceano tranqüilo, de profundidade impertubável, onde não podem chegar nem as falsidades, nem as gargalhadas satânicas.
Quando vejo um covarde, choro de pena, porque ele caminha como um corcunda que olha para o chão e respira como um febril.
De suas vestes pendem pesados ferros com formato de meia lua, que o impedem de subir.
A vida é uma luta e ai daquele que não viver para lutar!
A vida é um salto em arco por sobre os homens e ai daquele que se arrasta em linha reta!"

Extraído do Livro: "O Livro sem Título de Um Autor Sem Nome"

Coincidência???

Estranha coincidência em um mês o governo aprovar a união homosexual, aparecer o kit anti homofobia, primeiro beijo homosexual em novela. Não sou contra homosexuais, apenas constato o fato do que vêm surgindo. Os heterossexuais hoje são minoria, o que acontece?? Alguns podem sugerir que isso é evolução ou modernidade ou ainda um processo. Apenas sei que isso é um indicativo de franca degeneração da raça. Dois homens ou duas mulheres não podem criar, muito menos se elevar. Em um dos livros maias, não sei se o Chilam Balam ou Popovuch, fazia menção a vinda do home de dois dias no final desta raça como indicativo, o que sei é que o tal homem de dois dias é o homossexualismo. Muitos dirão que sempre existiu o homossexualismo, porém não na proporção que hoje existe. O homosexual hoje é defendido. Quando alguém espanca, a repercussção é maior do que o normal na mídia, nas novelas sempre é bonzinho e compreensivo ou engraçado, dizem que Zulum Leonardo da Vinci, Miguelângelo, César de Roma, Galileu. Bom, os historiadores são homosexuais, os diretores de novela, artístas e jornalistas são em sua maioria homosexuais. Os governantes, cientistas e tantos outros são homosexuais. Então, normal que exista essa corrente a favor. Apenas acho que não precisam fazer o que heterosexuais não fazem por ai, beijos ardentes na rua, introduzir nas crianças o conceito, usar escolas para isso. É maldade, se os homosexuais cresceram sem isso tudo, então para que kits em escolas. Existe coisa ai, seguro isso.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Considerações sobre morrer

Lidar com a personalidade sempre é terrível. Mudar coisas. É compreensível as pessoas não desejarem esse trabalho. As vezes temos que negar mesmo a tristeza porque isso também não é real. Hoje estou cansado, muito, devido a dois trabalhos. Que caminho duro, lutar contra si mesmo, a natureza e a sociedade.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Despertar por Gurdjieff

Trecho. O mesmo que nos ensina Gnosis, Mestre rabolú, Samael ou Judas. Observe-se que sempre esteve tudo ai.


". . . Mas , se olharmos as coisas mais a fundo, se lançarmos um olhar sobre o seu mundo interior, sobre os seus pensamentos, sobre as causas da suas ações, compreenderemos que está quase no mesmo estado que quando dormia. É até pior, porque no sono é passivo, o que quer dizer que não pode fazer nada.
No estado de vigília, ao contrário, pode agir o tempo todo e os resultados de suas ações repercutirão sobre ele e sobre os que o rodeiam. E, no entanto, ele não se lembra de si mesmo. É uma máquina e tudo lhe acontece.
Não pode deter o fluxo de seus pensamentos, não pode controlar sua imaginação, suas emoções, sua atenção. Vive num mundo subjetivo de "eu gosto", "eu não gosto", "isto me agrada" , "tenho vontade de", "não tenho vontade de", isto é num mundo constituído do ele crê gostar ou não gostar, desejar ou não desejar.
Não vê o mundo real.
O mundo real está escondido pelo muro da sua imaginação. Ele vive no sono. Dorme. E o que chama de sua "consciência lúcida", nada mais é que sono , e um sono muito mais perigoso que o seu sono, durante a noite, em sua cama.
Consideremos qualquer acontecimento na vida da humanidade. A guerra, por exemplo. Há guerras neste momento. O que quer isso dizer?
Significa que vários milhões de adormecidos esforçam-se por destruir vários milhões de outros adormecidos. Eles se recusariam a isso, naturalmente, se despertassem. Tudo o que se passa atualmente é devido a esse sono.
Esses dois estados de consciência, sono e vigília, são tão subjetivos um quanto outro. Só quando começa a lembrar-se de si mesmo, é que o homem pode, realmente, despertar.
A seu redor, toda a vida toma então aspecto e sentido diferentes. Ele a vê como a vida de pessoas adormecidas, uma vida de sono. Tudo o que as pessoas dizem, tudo o que as pessoas fazem, dizem e fazem no sono.
Nada disso, pois, pode ter o mínimo valor. Só o despertar e o que leva a despertar tem valor real
Quando tiver compreendido que não se lembra de si mesmo e que a lembrança de si significa um despertar, até certo ponto, e, quando tiver visto, por experiência própria, como é difícil lembrar-se de si mesmo, compreenderá então que, para despertar-se, não basta deseja-lo
. . . algo mais é necessário
. . . quantas vezes lemos, por exemplo nos Evangelhos:"despertai", "vigiai", "não durmais". . . como já disse, o homem tal como é, tal como a natureza o criou, pode tornar-se consciente de si. Criado para este fim, nasce para este fim.
Mas nasce entre adormecidos e, naturalmente, cai, por sua vez, num sono profundo, exatamente no momento em que deveria começar a tomar consciência de si mesmo
. . . na consciência de um homem adormecido, suas ilusões, seu " sonhos" se misturam com a realidade. O homem vive num mundo subjetivo do qual lhe é impossível escapar.
É por isso que nunca pode utilizar todos os poderes que possui e sempre vive uma pequena parte de si mesmo.
Já foi dito que o estudo de si e a observação de si, bem conduzidos, levam o homem a se dar conta de que algo está errado em sua máquina e em sua funções, em seu estado habitual. Compreende que é precisamente porque está adormecido que só vive e trabalha numa pequena parte de si mesmo
. . . A observação de si leva o homem a reconhecer a necessidade de mudar
. . . em vez do homem que acreditava ser, verá um inteiramente diferente, Esse outro é ele mesmo e , ao mesmo tempo não é ele mesmo. É ele tal como os outros o conhecem, tal como se imagina e tal como aparece em sua ações, palavras , etc
. . . mas não é exatamente ele, tal como é na realidade. Porque sabe que há uma grande parte de irrealidade, de invenção e de artifício nesse homem que os outros conhecem e que ele próprio conhece. Vocês deve aprender a separar o real do imaginário."

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Despertar

Temos uma idéia sobre o que é despertar, temos uma idéia sobre o que é sonhar e ambas as idéias são erradas. Gosto daquela frase de Judas sobre os sentidos. "O caminho começa no corpo com os cinco sentidos, Despertar é usá-los e não confundi-los contigo" Quem compreender o significado destas palavras por si só se dará conta do que é sonhar e sentirá o sabor de despertar.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Hoje

estava em uma escola no interior, um povoado. Na saída me deparei com os pastos verdejantes de um pequeno vale, me sentei na sombra de uma árvore para sentir a brisa fresca anunciando o inverno. Aquele céu azul e as montanhas ao fundo. Dias que me remeteram a minha infância de poços de caldas onde os invernos eram bem frios, de dias azuis e com o sol sorrindo. Fiquei ali antes de voltar para a cidade, dando uns minutos, absorvendo a natureza em sua simplicidade.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Dito popular Chinês

"O prego que se destaca é o que leva a martelada"

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Escher



No espaço cultural Banco do Brasil - São Paulo, até dia 17 de Julho. Lá me vou agora em meados de maio para apreciar ao vivo um artísta que admiro fazem 18 anos.




segunda-feira, 2 de maio de 2011

Vaidade

Existem vários inimigos do homem, que vivem dentro de um,medo, ira, preguiça e outros...Mas existe um que é grande adversário, que é a base para quase tudo e nos rouba uma grande energia, a vaidade. Somos muito preocupados conosco, com nosso bem estar, nossos direitos, razões e argumentos, justificamos o tempo nossas ações e temos uma idéia de que tudo existe por nós. E não adianta mudar a postura porque é a mesma vaidade, há que conquista-la de forma natural e para isso um mesmo tem que ver o que é de verdade.

Sociedade de formigas

Conforme nos vamos vendo, nossos processos de cada dia é natural que começemos a ver a humanidade no seu sono profundo e como pode a mesma ainda não ter se destruido. A resposta depois de uma tempo veio a tona, vivemos como formigas, em nosso mesmo sono existe uma mecânica quase instintiva que nos leva a trabalhar e voltar para casa. Nosso condicionamento chegou a níveis estranhos, vejo por aqui onde moro, as pessoas se movem pelas mesmas coisas, o de sempre, trabalham, final de semana se divertem, criam os filhos, compram o carro mais novo e sonham na ascensão econômica. A questão é, quando um se dá conta dessa rotina secular ou milenar, sim, porque isso sempre foi assim, se torna um rebelde, se nega a fazer as coisas e se torna o outro lado da moeda e permaneçe sonhando achando que acordou, é a mesma formiga de outrora. Uma terceira possibilidade é perceber que algo está errado nisso tudo, mas não é fora e sim nossa qualidade de percepeção e pensamento. Devemos contrariar nossa corrente, paralisar nosso diálogo interno, fazer o mundo aqui dentro parar de rodar e ver o que acontece. Isso é para poucos, a maioria se arrepia de medo com a idéia de sair do seu condicionamento. Outra questão é que para despertar tem que se economizar energia no dia a dia e fazemos contrario a isso, pensamos o dia inteiro, desde grandes pensamentos até micro pensamentos de fundo, um diálogo interno, como se conversássemos o tempo todo conosco mesmo, chegamos a discutir internamente, apresentamos várias propostas para um mesmo problema. Estranho isso de sermos um indivíduo e não termos unificado os nossos pensamentos, se assim fosse, seríamos a solução imediata. Isso mostra algo ai dentro que esta errado. Somente parando um padrão podemos descobrir algo além do padrão, algo realmente novo. Será que ninguém se questiona sobre isso?? A convivência nos contamina, por vermos todo mundo da mesma maneira agimos igual. Nos falta critério e inteligência para discernirmos essas coisas. Devemos trabalhar e até passearmos e ao mesmo tempo não trabalharmos nem passearmos internamente. parar o mundo interno, essa charla que não tem fim.